Páginas

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Perca o medo


Oi gente, acho que você já sabem do meu gosto por leitura, e hoje eu vim aqui no intuito de desbancar um mito.
Colegial, aquele monte de matérias, literatura, literatura Brasileira, "professor, eu gosto de ler mas esses livros são muito chatos" presta atenção que você nem leu pra poder falar, metem-te medo falando que a linguagem é difícil - mas nada que as 'legendas' do rodapé não traduzam - dizem que é chato, tedioso - leia o trecho e me diga depois o que tem de chato e tedioso nisso

Dom Casmurro

Capitu chamava-me às vezes bonito, mocetão, uma flor - 
outras pegava-me nas mãos para contar-me os dedos. E comecei a 
recordar esses e outros gestos e palavras, o prazer que sentia quando 
ela me passava a mão pelos cabelos, dizendo que os achava lindíssimos. 
Eu, sem fazer o mesmo aos dela, dizia que os dela eram muito mais 
lindos que os meus. Então Capitu abanava a cabeça com uma grande 
expressão de desengano e melancolia, tanto mais de espantar quanto 
que tinha os cabelos realmente admiráveis - mas eu retorquia 
chamando-lhe maluca. Quando me perguntava se sonhara com ela na 
véspera, e eu dizia que não, ouvia-lhe contar que sonhara comigo, e 
eram aventuras extraordinárias, que subíamos ao Corcovado pelo ar, 
que dançávamos na lua, ou então que os anjos vinham perguntar-nos 
pelos nomes, a fim de os dar a outros anjos que acabavam de nascer. 
Em todos esses sonhos andávamos unidinhos. Os que eu tinha com ela  
não eram assim, apenas reproduziam a nossa familiaridade, e muita vez 
não passavam da simples repetição do dia. alguma frase, algum gesto. 
Também eu os contava. Capitu um dia notou a diferença, dizendo que 
os dela eram mais bonitos que os meus, eu, depois de certa hesitação, 
disse-lhe que eram como a pessoa que sonhava... Fez-se cor de 
pitanga. 


Confesso que eu também não sentia a menor vontade de ler, mas quando li achei lindo e é por isso que quis vir aqui dividir isso com vocês, gosto de compartilhar meu conhecimento com vocês, boa leitura, bom dia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente e sinta-se abraçado (=